Post de convidado: Como ser um freelancer melhor

Luciano Larrossa, autor exclusivo da Escola Freelancer, já colaborou com nosso blog anteriormente, ensinando clientes a garantir um bom relacionamento com seus freelancers. Agora, Luciano volta à Workana, dessa vez falando com os profissionais. E aí? Quer ser um freelancer melhor? Continue lendo!

O mercado freelancer está em claro crescimento e isso é visível no número de profissionais que procuram por mais conhecimento sobre como trabalhar em casa ou como conseguir clientes. A internet e a evolução dos computadores têm permitido que essa aceleração acontecesse com alguma facilidade. Agora, é fácil (até certo ponto, obviamente) conseguir um cliente e gerar os primeiros reais no negócio de freelancer.

Porém…

É necessário pensar na lei da oferta e da procura. Não só em termos financeiros, mas também em termos profissionais – ou seja, a partir do momento que a oferta é muita, o freela precisa se destacar dos demais concorrentes. A concorrência não está presente ali do lado, como se fosse uma loja física, mas ela existe e não é pouca.Por isso, o primeiro pensamento do freelancer deve ser: como posso ser um profissional melhor? Fique comigo nas próximas linhas, que eu vou explicar alguns passos que você deve seguir.

Não trabalhe o braço, trabalhe a mente

Um dos erros principais dos freelancers é que eles se concentram demasiadamente na quantidade de trabalhos entregues, em vez de na qualidade. O posicionamento no mercado é determinante e essa é uma dificuldade comum de muitos freelancers. Um dos “segredos” para conseguir se manter no mercado por mais tempo é deixar de lado o trabalho apenas quantitativo e focar no trabalho qualitativo. Obviamente, há de existir uma quantidade mínima, mas esse não deve ser o único ponto diferenciador.

Preço, quanto é?

O preço é um dos pormenores que podem definir o futuro do freelancer. Se o freela começar cobrando pouco – e pode fazê-lo -, o objetivo será sair aos poucos deste mercado, no qual ficará concorrendo com sobrinhos e com profissionais pouco capacitados. Começar com o preço baixo é aceitável, mas deve ser visto como algo passageiro.

Para o negócio do freelancer ter futuro, ele precisa focar em melhorar a qualidade dos seus serviços, procurando sempre clientes com maior capacidade de pagamento. Não existe qualquer problema em continuar cobrando pouco, o problema é que isso acabará por ser pouco rentável a longo prazo…

Prazos e mais prazos

Os prazos são um dos maiores diferenciais que o freelancer pode ter. Contudo, este continua sendo um pormenor no qual eles ainda falham muito. Ou seja, são muitos os freelas que dão pouco valor às datas, sendo que esta é a questão mais valorizada pelo cliente, segundo vários estudos. Caso o freelancer pretenda ser um melhor profissional – afinal de contas, este é o objetivo do post -, ele precisa começar a entender os prazos como algo mais sério.

Aqui vão algumas dicas para consegui-lo:

  • Não prometa prazos que você não consegue cumprir.
  • Organize-se para entregar os projetos alguns dias antes do prazo. Isso impede que possíveis problemas que venham a surgir atrasem a sua entrega.
  • Se o projeto atrasar, informe o cliente com alguns dias de antecedência.
  • Tente ser ainda mais rigoroso se o cliente for recente.

Home office ou escritório?

Começar a trabalhar em casa é um hábito de muitos freelancers e tem toda a lógica que seja assim. Afinal de contas, o dinheiro é escasso e trabalhar em casa permite poupar algumas centenas de reais por mês. No entanto, caso o freela pretenda evoluir, ele terá que pensar, num futuro muito próximo, em alugar um escritório ou, na pior das hipóteses, um cowork.

Obviamente que, caso o home office esteja numa divisão da casa onde não existem interrupções e onde você não seja incomodado, não existe qualquer problema. O nosso exemplo foi dado para aqueles casos em que o local de trabalho fica no meio da sala ou na própria cozinha.

E vocês, freelas, o que consideram imprescindível para evoluírem enquanto profissionais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *