2017: Relatório do trabalho e empreendedorismo no Brasil

2017: Relatório do trabalho e empreendedorismo no Brasil

Apoiamos iniciativas para fomentar o desenvolvimento da região através do empreendedorismo, do trabalho remoto e independente. Nós acreditamos no talento brasileiro e sabemos que temos profissionais extremamente competentes, com habilidades para exercer qualquer profissão e empreender novos negócios de sucesso.

Para entender um pouco melhor esta tendência no mercado de novas relações de trabalho, como o profissional freelancer e o empreendedor contemporâneo, queremos compartilhar o Relatório do Trabalho Independente e Empreendedorismo no Brasil, elaborado com as métricas e dados coletados na pesquisa realizada no começo deste ano. Ao todo, foram ouvidos 5.151 pessoas que tiveram algum tipo de trabalho remunerado em 2016.

  • Como o mercado de trabalho está distribuído?

Já não é mais novidade que o freelancing está crescendo no país. Os empreendedores e as startups demonstram confiança no talento da região, o que faz movimentar cada vez mais o mercado e o modo como está constituído.

Hoje, mais de 40% dos profissionais são freelancers em tempo integral ou part-time, 33% estão empregados com carteira assinada, 11% corresponde aos empreendedores e os demais ainda estão em busca de oportunidades no mercado de trabalho.

  • Profissionais por indústria

A área de trabalho mais popular é de TI & Programação (29,4%), seguido por Design e Multimídia (24,3%). Logo depois vem Tradução e Conteúdos com 20,2%, Marketing e Vendas já vem colado com 19,9%. O Suporte Administrativo está crescendo a todo vapor e já alcançou a marca de 16,6%. E, em menor proporção com 12,6% ou menos, está Engenharia, Legal, Finanças e Administração.

Aproveite esses números para entender o tamanho da concorrência que existe no mercado de acordo com a indústria. Assim você pode decidir e escolher quais novas habilidades te ajudariam na construção de um perfil mais competitivo.

  • Principais características demográficas

A pesquisa aponta que a maioria dos profissionais (62,8%) é do sexo masculino contra 36,9% de mulheres. Grande parte é casada ou mora com seu companheiro (78,7%). Já 37,1% dos profissionais em geral tem entre 18 e 28 anos. Seguido por 30,4% que tem entre 29-38 e 19,8% de 39-48 anos. A porcentagem menor (12,8%) é composto pelos profissionais maiores de 49 anos. Podemos afirmar que o freelancing não vê gênero ou idade como fatores de impedimento, muito pelo contrário, vem abrindo muitas portas.

  • Qual o nível de estudos que eles têm?

A educação é a chave do sucesso dos freelancers, manter-se atualizado é fundamental para oferecer um melhor serviço. Sabendo disso, quase 48% dos freelancers tem curso superior, 23% dele tem pós-graduação, 19,6% tem curso técnico ou especialização e 9% tem o segundo grau completo. E não param por aí, o estudo indicou que 49,6% deles estão se aprimorando atualmente. E que no último ano, 54,9% dedicou + de 40h de capacitação profissional.

  • E quais idiomas falam?

Além da nossa língua materna, o Português, 39% dos profissionais brasileiros falam Inglês e 17,3% Espanhol. Seguido, em menor grau, por línguas como Francês, Alemão, Italiano, Mandarim e outras.

Nosso mercado de trabalho é um pouco mais exigente que os nossos vizinhos latinos, enquanto 17 % dos brasileiros falam Espanhol, apenas 5% deles falam Português. Mas, não se esqueça que quanto mais idiomas você dominar, mais oportunidades terá para ganhar novos projetos em diversas partes do mundo 😉

  • Qual seu local de trabalho?

A grande maioria (78,5%) respondeu que trabalha em casa. Em seguida, estão aqueles que aproveitam o escritório da empresa em que trabalha para realizar seus projetos com 23,3% e logo após em uma proporção bem menor, abaixo de 8,6%, estão os profissionais que trabalham no escritório da sua empresa própria, em coworkings ou cafés com internet wifi.

Sabemos que uma das principais vantagens do trabalho remoto é poder trabalhar em qualquer lugar que você queira. E, assim evitar de 1 a 3 horas perdidas no trânsito como acontece com 40% dos entrevistados. Aproveite este benefício e compartilhe com seus colegas através do Mapa Freela aquele lugar perfeito onde você adora trabalhar, um café, coworking, etc.

  • E as Férias?

Os profissionais brasileiros sabem que precisam de alguns dias para descansar. Em torno de 32% deles tiraram mais de 20 dias para suas merecidas férias. Já 20% tiraram entre 11 a 20 dias e 21% de 1 a 10 dias. Embora a maioria dos entrevistados (47,6%) diz ter 4 semanas de férias remuneradas durante o ano, ainda é alto o porcentual de profissionais (27,5%) que não tiveram férias durante o ano de 2016. Veja algumas dicas para viajar e se sentir de férias o ano todo.

  • Ser um profissional independente

Como podemos ver no gráfico abaixo, o número de profissionais freelancers mais que dobrou nos últimos 4 anos e a perspectiva é continuar crescendo.

Tendência de uma nova geração, que anseia por liberdade no mercado de trabalho e, no caso do Brasil, que hoje tem um cenário econômico bastante sensibilizado. Ser freelancer é ter várias possibilidades, além de uma série de vantagens como: Não bater ponto, nada de vínculo com o chefe ou com a empresa e possibilidade de receber por projetos. Essa é a rotina de um freelancer e o sonho de muitos profissionais na atualidade. No entanto, não se esqueça que a decisão de se tornar um freela exige planejamento e conhecimento da carreira!

  • Por quê ser um freelancer?

Entre os quatro maiores motivos para ser um freelancer, segundo os entrevistados, estão a Flexibilidade de horários (84,1%), a possibilidade de trabalhar onde quiser, ou seja, a mobilidade (64%), a variedade de projetos e trabalhos disponíveis (53,8%) e a opção de ser seu próprio chefe (52,7%). Alguns outros quesitos também são bastante valorados, como: ter mais tempo para assuntos pessoais, passar mais tempo com a família, não ter um teto salarial, etc.

Por  outro lado, existem algumas coisas que ainda podem melhorar, por exemplo, quase 60% dos freelancers se preocupam por não ter um salário fixo ou estável e 46,4% por não ter contribuições sociais determinadas (aposentadoria, plano de saúde, etc). Precificar projetos também não é uma tarefa fácil, sabendo disso criamos a Calculadora Freela.

  • De quais países são a maioria dos clientes?

Os clientes são, na grande maioria, do Brasil, seguido por Estados Unidos, depois Europa e Argentina. É importante considerar a cultura e os costumes de cada país, com o intuito de oferecer um tratamento adequado, sempre respeitoso e aumentando ainda mais suas chances de novos negócios.

  • Quais são as ferramentas de trabalho mais utilizadas?

São muitas as ferramentas que auxiliam o trabalho dos profissionais qualificados nas mais diferentes áreas. Veja o TOP 10:

  1. Laptop Windows 62,1%
  2. Smartphone 60,6%
  3. PC/Desktop 55,1%
  4. Google Drive 54,6%
  5. Skype 50,9%
  6. Dropbox 38,3%
  7. MS Office 37,6%
  8. Google Documents 28%
  9. Hangouts 19,3%
  10. Adobe Creative 17,2%

 

  • Empreendedores brasileiros

Neste ano, o Brasil experimentou um boom do empreendedorismo. Muitos resolveram criar seu negócio, dos setores mais tradicionais até os mais inovadores, fugindo de um mercado de trabalho com poucas oportunidades.

De acordo com os dados, quase 76% destes empreendimentos estão a mais de 1 ano no mercado, a maioria não tem sócios (64%) e grande parte deles são prestadores de serviços (73%). Estas empresam oferecem serviços de TI & Programação (32,2%), Marketing e Vendas (31,5%), Design e Multimídia (24,5%), entre outros.

  • Qual é o principal canal de vendas?

O comércio eletrônico está mudando completamente o modo de funcionamento dos mais variados negócios, de forma que para se destacar no mercado, as empresas precisam se integrar a esta dinâmica. E é isso, que 80% destes empreendimentos estão fazendo. Aproximadamente um quarto destas empresas vende mais de 50% dos seus produtos através do E-commerce. Veja aqui como criar o seu site E-commerce.

  • Como se comunicam?

A maioria destes negócios está presente no universo digital e faz ações regulares de Marketing para captar e fidelizar seus clientes, 73% estão nas redes sociais e 67% tem um site próprio.

O Facebook lidera o ranking com 51%, seguido pelo E-mail Marketing com 45,5%, depois o Social Media 44,1%, o Adwords (publicidade nos buscadores) 38,5% e algumas outras ações em menor grau.

  • Quem executa?

Quase 80% são pequenas empresas com menos de 5 funcionários. Sendo que 17,5% delas tem funcionários fixos e 50% contrata freelancers para execução dos seus projetos.

Cabe destacar que os três principais benefícios oferecidos a estes profissionais são: Trabalho Home office (57%), Flexibilidade de horário (53%) e Bônus por desempenho (30%). Além de alguns outros incentivos citados em menor escala como: capacitação, escolher a melhor data para tirar suas férias, participar de ações e eventos, etc.

Agora que você tem essa informação, pode entender como funciona o trabalho remoto no Brasil e, melhor ainda, tem provas que realmente funciona e esta crescendo cada vez mais.

A melhor maneira para comemorar o Dia do Trabalho é buscando o trabalho dos seus sonhos:

Para aqueles que querem empreender com um negócio próprio, crie um projeto na Workana e contrate freelancers para te ajudarem a desenvolvê-lo!

2 Comentarios
  1. Olá Daniele, gostaria de saber quem executou a pesquisa e quando, seria possível?

    1. Olá Alcyr!

      Esta pesquisa foi realizada em Abril deste ano pela Workana, a partir da iniciativa “Feito na América Latina”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *