Conteúdo: the new king!

Conteúdo: the new king!

Redes sociais, blogs, posicionamento nos buscadores, engajamento, conversão, posicionamento da marca, suporte ao cliente, tudo isto e muito mais precisa de conteúdos e vice-versa. Neste artigo veremos por que o conteúdo é o novo rei.

Não é uma novidade que os meios digitais oferecem oportunidades (e necessidades também) para que as marcas se comuniquem com os usuários atuais e potenciais. Mesmo assim, oferecem um espaço de vinculação com a comunidade em geral. Agora, o tema seria: qual público? Como, por que e para quê?

Primeiro, o primeiro:

É fundamental definir uma estratégia de conteúdos a qual faz parte da estratégia de marketing do seu negócio. Dentro dela se define o plano, as ações e os objetivos que serão realizados nos ativos digitais que tenha o seu negócio.

Parênteses, o que são os ativos digitais? : São todos os espaços nos quais a sua marca está presente nos meios digitais (web, redes sociais, apps, e-commerce, etc)

Nota: é importante sempre analisar muito bem em quais ativos digitais a sua marca deve estar presente. É preciso estar onde realmente é possível estar (de acordo com as possibilidades do seu negócio e as necessidades do seu target), e não acreditar que é simplesmente compartilhar o mesmo arquivo em todos os cantos. A plataforma do Twitter em si é muito diferente do Facebook ou do Whatsapp, e por sua vez o comportamento dos usuários também é, por isso sejam criativos :D, é a melhor forma de ser efetivo.

E então, para que preciso de conteúdos?

  • Redes Sociais: Segundo a rede e o(s) objetivo(s) da sua presença nela (construção de comunidade, posicionamento de marca, suporte ao cliente, exposição, vendas, etc), você precisa gerar conteúdos interessantes, bem contados e criativos para conseguir a atenção dos milhões de usuários que a cada dia passam mais e mais tempo interagindo em suas redes desde casa, no trabalho, ao entrar em uma loja ou em uma viagem, por exemplo. Os conteúdos devem estar pensados tanto para esta rede quanto para o seu objetivo, levando em conta os prós, os contras, e as características de cada plataforma e o comportamento dos usuários nelas.

 

  • Blogs: Um blog é uma ferramenta muito útil para se aproximar dos consumidores oferecendo conteúdos que orientem e vinculem. Uma marca pode ter um ou mais blogs, com objetivos e até targets diferentes; tudo depende de cada cenário, do momento e da criatividade dos seus autores. Neste link você pode aprender mais sobre blogs e os seus benefícios para a construção da marca.

 

  • SEO: ter conteúdo de qualidade publicado no ecossistema digital oferece mais oportunidades de ser encontrado no Google,e bem, os outros buscadores :P, por isso é preciso alinhar completamente a geração de conteúdos com a estratégia SEO, para ter maior e melhor relevância nos resultados de busca, potencializando as palavras-chave que mais tráfego e mais alimentam a conversão (vendas, registros, etc).

 

  • Engagement ou Vinculação: Parafraseando Henry Jenkins, as comunidades de hoje em dia não são geradas por localização geográfica, mas sim por afinidades. Isto é possível graças à tecnologia. Por isso, o comportamento das pessoas é diferente, o mundo está mudando muito mais rápido do que acontecia há alguns anos, e uma destas grandes mudanças é (ou pode ser?) pela exposição, já que cada vez mais tudo está a vista, e no caso das marcas isso quer dizer os seus acertos e, sobretudo, os seus erros estão expostos. Qualquer usuário insatisfeito tem hoje as ferramentas para se queixar ou para parabenizar a quem lhe deu um bom serviço ou produto. Também para comparar e para investigar. Então é muito importante entender que o mundo é cada vez mais horizontal, estamos todos muito próximos, e onde as marcas devem dar a cara diante dos problemas e devem constantemente e proativamente acrescentar valor. É aqui onde os conteúdos que são utilizados para serem publicados em redes, sites, blogs ou apps devem responder a esta lógica e não simplesmente para preencher um calendário editorial. Seguindo esta visão, sendo transparente e criativo, você não terá simples consumidores, mas irá gerar relações baseadas nos vínculos e afinidades com as pessoas, algo muito mais potente e duradouro.

 

  • Conversão: bons conteúdos, orientados para acrescentar valor, pensados para serem publicados no lugar adequado (rede social, site, etc) e no momento ideal, aumentam as chances de que o ciclo feche no seu objetivo de conversão (venda, registro, etc). Para consegui-lo é preciso entender claramente como posso acrescentar valor com o meu conteúdo e graças às ferramentas que cada site ou rede social me oferece, entendendo o usuário.

 

  • Suporte ao cliente e posicionamento da marca: como mencionava no ponto de vinculação, tudo está exposto, portanto as redes sociais já não são uma oportunidade, e sim uma necessidade que pode ser transformada em oportunidade, claro, mas que deve ser atendida desde um princípio para que não seja um ponto fraco. As pessoas vão te buscar nas redes sociais e vão pedir ajuda, e vão reclamar se não forem atendidos, por isso é preciso criar um plano de contenção para estes canais de ajuda e atenção ao público de acordo com as possibilidades que você tenha. Tudo isto te ajudará a construir ou destruir a sua marca. Sempre depende da transparência, criatividade e da intenção de fazer todas as coisas da melhor forma possível.

 

Bem, este artigo foi se prolongando, por isso no seguinte parágrafo serei mais conciso, e mais para frente iremos desenvolvendo de forma mais aprofundada muitos destes temas.

Que tipo de conteúdos você pode criar?

Quanto aos formatos, dependemos do que a tecnologia vai permitindo, vão nascendo novos produtos para gerar e compartilhar conteúdos e ai é preciso estar atento para experimentar e encontrar alternativas. Entretanto, estes são os essenciais:

  • Vídeos: que belo é o poder audiovisual. Aprenda mais aqui.

 

  • Infográficos: informação concisa e bem explicada. Aprenda mais aqui.

 

  • Redação de blogs e artigos: já dissemos o seu poder, mas aprenda mais aqui.

 

E por último, não se esqueça das traduções, o que permite alcançar mais pessoas quanto a localização. Aprenda mais aqui.

Espero que esta entrada tenha sido útil e que ajude vocês a continuar criando!

 

Obrigado,

Carlos Carrascal

Diretor de Comunidade na Workana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *