Dia da Mulher – Raquel Mendes Damasceno: “Empreender como freelancer é uma construção diária, um desafio atrás do outro”

A cada dia que passa as mulheres conquistam mais espaço no mercado de trabalho e dão mais um passo em direção aos seus sonhos. E o trabalho freelance tem feito um importante papel na vida de muitas profissionais, pois é uma excelente oportunidade para conquistar o êxito profissional e a realização pessoal.

No dia 8 de março comemoramos o Dia Internacional da Mulher. Para celebrar este dia muito especial e presentear todas as mulheres workaneiras e freelancers, entrevistamos a Raquel Damasceno Mendes, Designer Gráfica e Editorial, que é um caso de êxito na Workana e, sem dúvidas, uma inspiração a todas as mulheres que desejam conquistar autonomia e independência profissional.

——–

entrevista dia mulherW: Qual é a sua área profissional? A que você se dedica em seu dia a dia?

R: Sou formada em Produção editorial, mas trabalho diariamente com design gráfico, criando para web e impressos. Crio layouts para sites, aplicativos, projeto revistas, jornais e publicações diversas, além de criar identidade visual e aplicar essa identidade em todo o tipo de comunicação institucional, incluindo as redes sociais.

W: Como você decidiu se lançar como freelancer? Como foi o começo?

R: Trabalhei em agências de publicidade e design desde que me formei na graduação. Depois de fazer alguns freelas mesmo estando empregada, comecei a pensar que podia dar certo. Me desliguei da agência em que estava e comecei a fazer freelas pra eles e pra quem mais aparecesse 🙂

W: Como você acredita que foi evoluindo concretamente o papel da mulher no âmbito do teletrabalho?

R: O trabalho remoto possibilita mais disponibilidade e flexibilidade de agenda para nos dedicarmos a outras atividades. Isso significa que uma mulher com filhos, por exemplo, tem mais flexibilidade para conciliar trabalho e família.

W: E como empreendedora, o que você mais valoriza no trabalho remoto?

R: Sem dúvida a flexibilidade de horários e de escolha dos projetos em que vou trabalhar.

W: Você acha que há algo que nos caracteriza como mulheres na hora de trabalhar?

R: Gosto de pensar que somos mais focadas e determinadas em conseguir atingir o que queremos, mas não sou muito fã dos clichês femininos 😀

W: Li uma entrevista na qual mencionavam que, para a mulher, o trabalho remoto é o seu “salário emocional”, no sentido de que permite passar mais tempo com seus afetos. O que você acha sobre isso, e como é o seu caso em particular?

R: Tenho um amigo, programador, que saiu do trabalho numa agência logo depois que o primeiro filho nasceu e hoje trabalha como freelancer, apenas para ter mais tempo com a família. Hoje os papéis estão muito parecidos, acredito que para homens e mulheres, o trabalho remoto tem proporcionado esse salário emocional. Estamos vivendo um tempo em que as pessoas estão priorizando mais a vida como um todo ao invés de focar apenas no trabalho dentro do escritório.

W: Para você, o que significa a liberdade, a autonomia e a flexibilidade que o trabalho freelance te dá?

R: Quando trabalhava em agência, me sentia deprimida ao sair do escritório já à noite. Gosto de ver o Sol, me dá a impressão de que ainda tenho muito para viver, e era triste entrar no escritório de manhã e sair já à noite. Ser freelancer me dá muito mais liberdade, mas também me traz muitas responsabilidades. Meus dias variam entre o dia em que posso assistir à Sessão da Tarde ou à noite em que só paro de trabalhar às 23h. Meu último desafio foi ficar 20 dias fora do país, para fazer um curso e trabalhar todos os dias, como se nada na minha rotina tivesse mudado. Essas experiências pra mim são muito gratificantes.

W: Qual é a sua mensagem para todas as profissionais freelance e empreendedoras em seu dia? 🙂

R: Empreender como freelancer é uma construção diária, um desafio atrás do outro. Mas a recompensa é boa! Tenha consciência que você deixa de ter um patrão para ter vários. Os escorregões são inevitáveis, mas fazem parte da autonomia da vida do empreendedor.

Introducão: Daniela Macedo

Entrevista: Jesica Mraz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *