Post de convidado: O que levar em conta para começar como freelancer

Tudo que você deve saber para entrar no mundo freelance e os conselhos chave para se promover, em um novo post de convidado: Beatriz Romero, profissional de Marketing e Vendas, perfil Bronze, conta as chaves para dar o primeiro passo e estabelecer as bases para seu crescimento como trabalhador autônomo. 

Sabe o quanto você ganha abrindo um negócio como autônomo ou freelancer na Internet?

Foto: Fotocromo
Foto: Fotocromo

Continue lendo e eu contarei a verdade sobre este tema. Se você está pensando em dar o passo de se tornar autônomo ou freelancer, ou melhor, de começar seu próprio negócio ou se “autoempregar”, já dou uma recomendação inicial: comece o quanto antes!

Se, no momento, você tiver um trabalho fixo, mas já está cogitando a ideia há um tempo (mais de um mês), então, meu amigo, chegou o seu momento.

Leve em conta que o melhor não é começar como freelancer sem mais nem menos, mas sim preparar o terreno enquanto você concilia com seu trabalho atual durante a primeira etapa (que deve durar entre 3 e 6 meses). Ao menos, assim você tem tempo de fazer alguns testes antes de entrar de vez nesse mundo.

Por experiência própria, sei que os primeiros 3 a 6 meses, aproximadamente, são determinantes. Você precisa investir tempo e dinheiro (ei, mas é pouco ;)) na criação de sua marca e se deixar conhecer pelo mundo freelance.

Como se deixar conhecer pelo mundo freelance na Internet

Antes de mais nada, você precisa de um quartel general, seja um site feito exclusivamente para você ou um blog. No final das contas, dá no mesmo: ambos custam tempo e dinheiro.

Sim, há soluções gratuitas, mas se você quer levar a sério seu projeto, recomendo enfaticamente as opções pagas. Vou explicar por quê.

A principal vantagem é que, no caso de um site pago, você pode exigir um bom serviço e, em caso de problemas, saberá a quem recorrer. Por outro lado, em uma opção gratuita, podem não ter (ou não têm) um bom serviço. E reclamar… bem, é grátis, não?

Considere que um site sob medida é muito mais personalizado, mas terá uma manutenção que, talvez, você mesmo não possa realizar (a menos que você seja programador). Um blog também precisa de mudanças, mas as plataformas atuais (WordPress, principalmente) são realmente fáceis de usar e, com apenas duas linhas de código que você venha a aprender, você já pode manter seu site perfeito.

Você precisará também de um lugar para hospedar seu site ou blog. Não vale seu computador em casa, ainda que seja o melhor computador do mercado. Usar seu computador como seu próprio servidor tem uma vantagem clara, é tudo seu e controlável por você a qualquer momento. A desvantagem é a mesma.  O que vai acontecer se houver um corte na energia elétrica? E quando você estiver de férias? E se tiver problemas técnicos?

Recomendo contratar um provedor de hosting e, desde já, um nome de domínio para se apresentar na internet. A boa notícia é que não são tão caros quanto se pode imaginar, embora haja planos para todos os tipos de orçamento, de verdade, todos.

Depois de resolvidos esses dois itens, seria bom estar presente em uma das principais redes sociais. Estas plataformas sim é que são gratuitas, mas só a plataforma em si, e não sua gestão ou utilização. Aqui, o mais custoso é o tempo. Se você já é autônomo ou freelance, sabe bem a que me refiro. E se vai começar, deve levar em conta que, mesmo que esteja cansado, deve dedicar alguns minutos para deixar sua marca nas redes sociais.

Continuando: a princípio e de acordo com a legislação de cada país, você terá que pagar alguns impostos inevitáveis, mas isso no momento em que você se encaixar à lei correspondente.

Leve em conta que, durante os primeiros 3 a 6 meses, você não terá clientes provenientes da internet e que terá que aprender um pouco de marketing (sim, marketing) para promover sua imagem ou sua marca. Quando começar nesse mundo através da internet, é conveniente fazer um cursinho rápido de como se promover na rede e, já que estamos falando nisso, de outra habilidade que vá fazer falta (como gerenciar seu blog ou site, por exemplo).

Considere a curva de aprendizagem e de promoção na Internet: ao menos 3 meses. Se alguém disser que, em uma semana, já está gerando renda, está mentindo.

Por último, busque todos aqueles sites que ofereçam registro para profissionais e se cadastre; são sempre de grande ajuda. Busque também diretórios especializados e se registre.

Recomendações adicionais

Ao ser freelancer na Internet, às vezes, nos esquecemos um pouco da parte que fica fora da telinha. Não deixe de atentar para isso!

  • Imprima seus cartões de visita e, se for possível, um flyer com seus serviços e distribua por todas as partes.
  • Faça networking onde quer que você vá.
  • Avise a todos os seus conhecidos que, agora, você é freelancer (ou autônomo) e que está disponível para fazer trabalhos. Não há melhor publicidade do que o boca-a-boca.
  • Coloque em sua assinatura de e-mail que você é freelancer e seu meio de contato profissional.

Embora, de início, o progresso seja um pouco lento, se sua dedicação for constante e se tiver um comprometimento grande consigo mesmo e com seu serviço, você verá que vale a pena ser freelancer.

Lembre-se que, para vencer, é preciso ter entusiasmo de sobra, compromisso com seu projeto como prioridade número um e perseverança como sua arma letal para ter uma carreira vencedora.

Seja bem-vindo ao mundo freelance!

Autora: Beatriz Romero

Tradução e Adaptação: Analuísa Bessa
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *