Post da Casa: Como construir seu produto e evitar o Apocalipse - um método

5 dicas para levar em conta na hora de desenvolver seu produto e não morrer no caos

Cómo construir tu producto - sigue un método

O coronel Walter Kurtz, boina verde, melhor de sua turma, graduado com honras, elite da elite, agora é um desertor. O capitão Willard vai em sua busca, numa viagem ao coração das trevas e da barbárie da guerra.

A civilização e a razão ocidental foram grande parte do método. Ainda nas facetas humanas mais bárbaras, irracionais e caóticas, como a guerra, se deve definir e seguir um método. Kurtz faz guerra sem método, por isso deve morrer.

Nós, que atualmente trabalhamos ou, em algum momento, trabalhamos com o desenvolvimento de produtos na Internet, caímos no mesmo erro: muitas vezes, seguimos um método ou, pior ainda, temos um método “mais ou menos”, nem sempre o aplicando e nossos produtos crescem e crescem de formas misteriosas.

Não, não merecemos morrer com um golpe de machete como Marlon Brando, mas, sim, somos obrigados a ter um método claro e aplicá-lo na construção de nosso produto.

Os que chegaram até aqui e viram Apocalypse Now entenderam os parágrafos anteriores. Os que não, consigam e vejam o filme, sério. Espero por vocês… Provavelmente, é o melhor programa que vocês podem fazer hoje (incluindo ler este post). Vocês vão me agradecer.

Ter um método e um plano de como executar o desenvolvimento de seu produto é simples. Nem todos colocamos em prática, mas ajuda muito a ter sucesso até o final do caminho. Ser o melhor boina verde de sua turma, ter as melhores ideias e contar com a melhor equipe de desenvolvimento apenas às vezes não alcança os resultados desejados, se você não seguir um método que garanta que você está fazendo o certo.

A seguir, uma lista de temas importantes que você deveria considerar na hora de bolar e priorizar um plano de desenvolvimento de produto:

1 – Pense em grandes temas

Sempre tenha em mente os grandes temas de seu produto. Exemplo: captação de clientes, retenção de clientes, ganhos ou visitas por cliente, etc. Categorize e priorize as tarefas dessas esferas. Dependendo do estágio de seu produto, talvez você tenha que focar em algumas delas. Não deixe que o caos se apodere de suas intermináveis listas de features.

Cada funcionalidade que decida desenvolver e testar com os clientes deve ter fundamento. Você deve saber claramente o motivo de fazê-la e qual tema ou parte de tema essa funcionalidade busca resolver – em vez de “porque, uma bela manhã, apareceu escrita no fio da navalha do coronel”.

2 – Calcule esforço e impacto

Calcule o tempo e esforço necessários para implementar essas tarefas e também seu impacto no negócio. Utilize variáveis tangíveis, como quantidade de clientes, horas gastas, entrada de dinheiro em seu produto, etc. As tarefas de maior impacto no produto e menor esforço serão as ideias para ter em mente nos próximos passos do desenvolvimento. Kurtz, em sua loucura, não pensaria duas vezes antes de gastar mal seus recursos e homens em tarefas que não impactam o negócio ou em temas irrelevantes, mas não faça isso você também.

3 – Defina suas batalhas

A organização de tarefas por grandes temas nos quais queremos focar, a priorização e o cálculo de esforço e do impacto dessas tarefas no seu negócio  deveriam deixar claro para você o caminho que você deve seguir no desenvolvimento de seu produto, quais são suas batalhas no momento e quais deverá deixar para lutar mais adiante.

Se você tem uma startup recém lançada no mercado, com certeza deve focar em áreas como captação de clientes, fluxo de cadastro e otimização do gasto em marketing, deixando de lado outras, como a melhora do sistema de contabilidade, por exemplo.

Se seu negócio é mais avançado e já tem uma base de clientes, com certeza a retenção desses clientes é tão (ou mais) importante quanto a captação de novos clientes. Tudo depende do estágio em que está o seu negócio.

Parece simples, mas nem todos praticamos isso. Se você não prioriza e reconsidera os temas e as tarefas a cada tanto (em cada iteração de desenvolvimento, por exemplo), você possivelmente correrá o risco de perder sua meta de vista, esse “lugar” em que quer chegar com seu produto, que é o mais importante e relevante para seu negócio.

Para ilustrar este ponto, cito minha experiência quando fiz parte do desenvolvimento de um marketplace há um tempo, no começo da primeira bolha da Internet. Alguém propôs que o marketplace deveria ter o melhor e mais completo sistema contábil que se podia imaginar. Foi investido muito tempo de desenvolvimento e integrações e muito (mas muito) mais dinheiro, antes que o site fosse para produção. A atividade contábil do marketplace se resumiu a apenas uma transação no primeiro mês de operação e a algumas dezenas de movimentações depois, até que o site ‘passou dessa para melhor’ um ano depois. O coronel Kurtz teria ficado orgulhoso desse gerente de produto fazer parte de suas filas caóticas nas profundezas da selva.

Por esse motivo, em todo momento, deve estar claro o que é importante para seu negócio e relevante para seu produto, para você lutar a batalha correta.

4 – Priorize, construa, meça, aprenda; priorize, construa, meça, aprenda . . .

Depois de definir o que você deve seguir em ordem de prioridade, onde poderá colocar seu foco e entender as necessidades do cliente, construa o MVP: Minimum Viable Product. O MVP é a versão mais simples possível do produto ou feature para lançar no mercado e validar sua viabilidade. Depois que seus clientes usarem essa versão do produto, meça quem usa, como e o quanto. Recolete informações e feedback de seus clientes, fale com eles, fale com seus clientes … sério,… fale com seus clientes, entenda o que eles querem. Com toda essa informação em mãos, sente, volte a pensar e priorizar as tarefas que você deve seguir.

5- Esteja sempre disposto a mudar

O coronel Kurtz não sabia de sua loucura. Nenhum louco sabe. Se algo define a loucura é tentar a mesma coisa repetidas vezes, esperando resultados diferentes. Não vá pelo mesmo caminho; esteja sempre disposto a mudar.

Se seu produto ou parte de seu produto não funciona, seus clientes não usam, não entendem ou simplesmente não gostam e você não está disposto a mudá-lo, então seu produto está destinado à morte. Aceite que sua ideia não funcionou, escute seus clientes, avalia as mudanças que deve fazer e priorize novamente.

Se você não estiver a fim de ser rotulado de louco 😛 e realmente desejar que seu produto alcance o sucesso, crie e implementa um processo para levar adiante seu desenvolvimento, levando em conta algumas dessas dicas.

Do contrário, um barco sobe, agora mesmo, rio acima em direção ao Camboja. O capitão Willard – interpretado pelo genial Martin Sheen – e sua tropa entram no inferno da guerra mais irracional. Pode-se ouvir The end ao fundo. Eles estão vindo pegar você.

O quê?! Ainda não viu Apocalypse Now?

Fernando Fornales

Sobre Fernando Fornales

Co-fundador e responsável de produto na Workana. Multi-desportista frustrado. Amante do cinema. Hippie-viajante incansável. Cantor de chuveiro. Seu herói: Jeffrey Lebowski

Tradução e Adaptação de Analuísa Bessa
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *