Diminuindo riscos ao contratar uma especialidade que não a nossa

Nós, da Workana, queremos compartilhar um novo post de convidado. Nessa ocasião, ele vem da mão de Alejandro González, Advogado e Executivo Comercial, e ele nos conta como diminuir os riscos ao contratar um freelancer para uma especialidade que não é o nosso forte. No mais, ele compartilha uma série de dicas e requisitos fundamentais para acertar na contratação e nos mostra 4 passos imprescindíveis para avaliar os candidatos, tudo isso baseado em sua experiência assessorando clientes e profissionais da Workana há mais de dois anos.

———-

"Tenho uma perguntinha fácil pra te fazer..."
“Tenho uma perguntinha fácil pra te fazer…”

Na vida cotidiana, temos, diariamente, que tomar decisões sobre assuntos que talvez não sejam nossa especialidade. Desde escolher a qual mecânico levar nosso veículo até responder uma criança que nos pergunte sobre a fotossíntese.

Isso também se traduz nas nossas relações comerciais, tanto desenvolvendo uma atividade com outras áreas de uma empresa, quanto quando queremos contratar um profissional para um determinado projeto.

Como fazemos então? Como conseguimos minimizar o risco de nos equivocar na contratação de alguém, quando desconhecemos sua especialidade para avaliar? Teremos as respostas corretas, com as perguntas adequadas!

Aaaaacho que sua avó não ia curtir um show da Miley... xD
Aaaaacho que sua avó não ia curtir um show da Miley… xD

Antes de analisar a especialidade do profissional, é importante entender se o seu perfil é adequado para o nosso projeto. Como exemplo, podemos concordar que contratar a Miley Cyrus para cantar no aniversário da nossa avó não é necessariamente a decisão correta, ainda que seja um espetáculo custoso e importante.

Então, para saber qual classe de profissional precisamos, temos que, primeiro, compreender a necessidade do nosso projeto. E isto se resume em duas opções:

  1. Requer uma vasta experiência por ser de complexidade elevada?
  2. Pode ser feito por um profissional com boa capacidade, mas menos experiente?

Podemos, então, fixar alguns pontos que nos ajudarão a saber quando um profissional, não importa qual seja a sua especialidade, se molda às nossas necessidades.

Os profissionais adequados para projetos de alta complexidade costumam compartilhar certos elementos que os identificam:

  • Experiência com uma variada quantidade de trabalhos concluídos DICA: Solicitar amostras de trabalhos
  • Perfil sumamente completo, porque sabem que ajuda a vender DICA: Corroborá-lo examinando e comparando-o com outros
  • Conhecimento das últimas tecnologias da sua área DICA: Consultar sobre a ferramente que mais se usa e se há alguma nova
  • Processo de trabalho ordenado com avanço por etapas DICA: Solicitar uma proposta de esquema de trabalho

São esses 4 pontos que devemos avaliar, além do seu nível de especialidade na área. E podemos corroborá-los com a solicitude correspondente.

É difícil que um profissional que cumpra com esses 4 pontos não tenha um amplo conhecimento sobre o serviço que oferece.

Os profissionais adequados para projetos de baixo ou médio nível de complexidade possuem outros elementos distintivos:

  • Resposta imediata na comunicação
  • Ampla flexibilidade para adaptar-se a esquemas de trabalho
  • Maior qualidade do que quantidade em trabalhos do seu portfólio

Além disso, a Workana oferece ferramentas adicionais para a seleção, tais como:

  • Certificações por avaliações de habilidades 
  • Qualificações prévias de outros clientes
  • Quantidade de projetos finalizados
  • Medalhas do perfil por quantidade e qualidade dos projetos concluídos
  • Posição no ranking de profissionais da plataforma

posição no ranking da Workana

O uso dessas ferramentas e conselhos na hora de se comunicar com os profissionais, somado à percepção que essas conversas com eles irão gerar, não deixa dúvidas de que o risco de se equivocar na contratação diminui muitíssimo.

Lembrem-se: Sócrates não superava as outras pessoas em sabedoria por acumular mais conhecimento do que elas, mas sim por reconhecer sua ignorância em algumas áreas e aprender a indagar sobre as mesmas.

Autor: Alejandro González
Tradução e adaptação de Equipe Freelaholic

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *