Amauri F.

Desenvolvedor PHP Pleno

0 / 5

Brasil

IT & Programación

Ver certificaciones
Habilidades (Máximo: 5)
¿Qué es posición de perfil bronze?

Bronze es el segundo nivel de los freelancers de Workana. A medida que consigan más logros y ganen más proyectos, irán progresando hacia los niveles superiores. Leer más

Contratar

Rankeado: No está rankeado

Posición del perfil: Bronze

Certificaciones: 3

Último login: Hace 2 años

Registrado: Hace 3 años

Sobre mí

Olá! Meu nome é Amauri.

Comecei nessa vida de programação em 2001, quando fiz um curso técnico de informática de onde tirei todas as noções básicas pra que iniciasse a vida como programador. Lá aprendi Clipper, Pascal, Visual Basic, lógica de programação, algorítimos e afins, mas em uma carona pra casa que recebi de um professor e coordenador do curso de informática ele me disse as mágicas palavras: “Estude PHP. A internet vai ser o futuro da programação.”

Seguindo a dica dele, chegando em casa dei um jeito de conseguir o PHPTriad, programa que hoje recebe o nome de XAMP e comecei a estudar meio que aos trancos e barrancos, sem muita informação de como tudo aquilo funcionava, mas ali naquele momento nascia a minha vontade de trabalhar de fato com programação.

Passava madrugadas a fio buscando informação numa época a qual a internet era discada e pra não gastar com telefone tinha que usar esse tempo para pesquisas. Criava sites básicos, apenas por brincadeira, e nenhum deles utilizando de fato tudo o que o PHP poderia oferecer. No máximo um formulário de envio de e-mails que custei fazer funcionar pois não sabia que precisava de um servidor SMTP instalado.

O tempo foi passando e as informações foram acumulando. Foi quando decidi partir pra luta e tentar algo como programador. Me sentia o máximo por fazer frases passarem pela tela usando marquee e por saber fazer includes, o que me fazia apenas criar topos e rodapés únicos mudando apenas o miolo da página. Por sorte hoje o primeiro site que fiz comercialmente nem no ar se encontra mais.

Durante essa temporada em São Paulo acabei conhecendo outro programador e a partir daí a coisa mudou de figura. Antes eu usava Dreamweaver, o que me ajudava muito com a sintaxe, mas esse cara me fez usar bloco de notas (sim, aquele do windows) e só depois passei pra um programa chamado Ultra Edit, que me dava ao menos uma coloração diferente para funções, strings e palavras reservadas. Com ele aprendi a configurar servidores, criar caminhos usando url rewriting, e-mails espiões e lógico, sites dinâmicos, mas nada com banco de dados. Nosso banco de dados era um enorme arquivo CSV, que do qual geramos garimpando um site e extraindo toda a sua informação. Sim, éramos bem loucos nessa época.

Depois que paramos de trabalhar juntos, acabei retornando para minha cidade, Mongaguá. Passei por mais um tempo buscando mais informação, mas dessa vez bem mais preparado, até que me surgiu a oportunidade de trabalhar na minha primeira agência especializada em internet. Lá aprendi não apenas sobre banco de dados de verdade, mas como criar boletos e soluções que mais tarde viria descobrir que eram design patterns. Lá acabei criando o meu primeiro protótipo de MVC, com partes dedicadas a dados, outras a controlar o que ia pra onde e todo o HTML separado. Lá também tive o meu primeiro contato com Linux, sistema esse que nunca mais consegui ficar muito tempo sem usar. Sem querer eu estava começando a seguir uma tendência que mais tarde se tornaria uma realidade, a diferença entre programadores backend e frontend.

Passei por quase um ano trabalhando nessa empresa até que decidi voltar a Mongaguá. Aqui no litoral de SP acabei reencontrando um velho amigo que tinha aberto uma agência de web, mas voltada a sites imobiliários. “O que vocês chamam de inferno, nós chamamos de lar” ele dizia, e não deixava de ser verdade. Com um backend pra lá de complexo devido ao enorme número de gambiarras e falta de padrão, os sites deveriam ser entregues em no máximo 5 dias ao cliente, o que tornava o trabalho tenso e estafante. Mas mesmo assim, passei por 4 longos anos por lá, mas não sem deixar a minha marca. Quando um novo projeto apareceu, e foi pedido para que fosse feito do zero, acabei criando um ORM que mais tarde viria a ser a base dos sites de entrega de 2 dias no máximo.

Passado isso, sai de lá e acabei caindo na promessa de um picareta. Normal na vida de qualquer pessoa, sempre existirá um que acabará fazendo isso com você. Por quatro meses trabalhei em uma rede social de conteúdo adulto e sem ganhar sequer um centavo. Até hoje nunca vi a cor do dinheiro, mas aprendi muito sobre benchmarks, configuração de MySql, configuração de PHP, configuração de Apache, balanceamento de carga, cacheamento e utilização de queries mais rápidas para retorno de informações. Mas para mim ainda me faltava aprender ainda mais, e a vida pouco a pouco foi me trazendo isso.

Um amigo meu me salvou daquela situação. O salário desemprego no final, filho tinha acabado de nascer, a barra apertando e ele me arrumou uma oportunidade na empresa a qual trabalhava. Nova vida, nova história, novos aprendizados. Nunca na minha vida tinha tido a oportunidade de mexer profissionalmente com frameworks, e lá comecei a trabalhar com CakePHP. A início foi estranho, pois era como reaprender a programar. Todos os péssimos vícios que tinham sido criados por durante tanto tempo trabalhando sem muita organização de código tiveram que drasticamente serem mudados, e de fato consegui. O que infelizmente não consegui foi ter uma postura mais enérgica. O primeiro trabalho que peguei consegui finalizar até que rapidamente pelo fato da primeira vez estar usando a framework. O maior problema mesmo foi em relação ao frontend. Começou um empurra empurra de erros e que na maioria acabavam caindo na minha mão por falta da postura profissional de dizer que o erro não era da minha parte, e sim apenas de frontend. Por fim, um projeto ao qual demorei pouco menos de 1 mês para codar o backend se estendeu por 6 meses por conta de falhas de frontend e que por diversas vezes eram atribuídos a mim. Lógico que isso me queimou dentro da empresa e lógico que mais erros não seriam tolerados. E esses erros ocorreram, alguns de fato cometidos por mim, outros cometidos por outras pessoas, mas como a corda estava já mais fraca para o meu lado…

A minha autoestima que até então não era nada boa naquele momento acabou indo por água abaixo. Mas a sorte sorriu novamente pro meu lado quando novamente fui chamado para trabalhar em São Paulo pouco tempo depois. Uma das empresas mais bacanas que trabalhei. Líderes muito bons, clima amistoso, colegas simplesmente fantásticos. Comecei a trabalhar de forma mais efetiva com controle de versão naquela época. Já maduro utilizando CakePHP não tive muita dificuldade ao tocar os projetos da empresa, mas uma reviravolta no destino causou um rumo inesperado, e infelizmente, sem que fosse culpa de um ou de outro, acabei voltando ao mercado de trabalho.

Não demorou até que eu encontrasse outro lugar para trabalhar, dessa vez em uma empresa especializada em software para frente de caixa, PDV, automação comercial… Realmente grande o novo desafio, mas como bicho criado em agencia, não consegui me enquadrar muito bem na empresa. De fato, trabalhar apenas pelo salário me desmotiva e muito. Salário é importante, mas fazer o trabalho com prazer e saber que ele está sendo bem feito e bem recebido me motiva e muito.

Novamente na busca por um lugarzinho para chamar de meu, acabei por cair em uma nova agencia. Pessoal bacana, ambiente legal, mas atrasados em relação a tecnologia. Utilizando ainda técnicas de programação procedural e com falta de qualquer design pattern, os códigos da empresa eram feitos no famoso “copia do antigo e aplica o html em cima”. Ainda tentei ajudá-los apresentando o que eles poderiam ganhar com a aplicação de frameworks de mercado, mas a questão bateu forte em relação a tempo de execução. Enquanto em menos de uma semana colocavam um site no ar no esquema copia e cola, demorariam uns meses até treinar a todos os integrantes da equipe a trabalhar com o formato de frameworks e design patterns. Decidiram por manter a forma antiga e eu novamente estou em busca do lugar ao Sol.

Historia laboral

Trabalhei por durante toda minha vida profissional com PHP. Desde projetos com frameworks de mercado a "frameworks" próprias.

Segue abaixo algumas das empresas que já trabalhei:

Inobox
Kindle Digital Agency
Mkt Virtual
Marcasite Produção Gráfica Digital
Microsistec

Certificaciones (3)

Año Examen Puntaje Percentil Estado
2015 Advanced PHP Test 78% 62% Aprobado
2013 Advanced PHP Test 88% 81% Aprobado
2013 PHP5 Test 75% 75% Aprobado

Idiomas