Ingredy B. freelancer experto en Corrección de textos, Gramática, Medio ambiente

Ingredy B.

Editora de textos, redator e assessora de impressa

0 / 5

Brasil

Redacción y Traducción

Sobre mí
Meu nome é Ingredy Brunele, sou graduanda em Ciências Biológicas na Universidade Federal de Alagoas, tenho um bom conhecimento sobre língua portuguesa, escrevo bem - tirei 900 na redação do ENEM, sou musicista e muito bem organizada!
Historia laboral
- Um texto escrito por mim sobre a Crise penitenciária:
A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pelas Nações Unidas desde 1948, visa garantir a base do respeito à dignidade humana. No Brasil, entretanto, tais garantias, muitas vezes, não são verificadas em relação aos privados de liberdade. Nesse contexto, deve-se analisar como o poder público em geral e o poder judiciário causam tal problema em nosso país.
  O poder público é o principal responsável pela crise carcerária. Isso acontece pois há uma falta de investimento governamental resultando em péssimas condições nos presídios, como a  falta de saneamento básico e a falta de acesso à educação. O programa de remição de pena, por exemplo, em que os detentos são obrigados a estudar, contam com poucos deles. Fica evidente, assim, a dificuldade na reintegração dos presos na sociedade, pois o presídio deveria ser responsável por reeducar o indivíduo, como afirma Émille Durkheim. Não é à toa, então, que apenas 11% dos presos estudam. 
  Além disso, observa-se também que o poder judiciário, aliado ao poder público, colabora com tal problema. Isso ocorre, pois acontece um retardamento no processo de julgamento dos casos e portanto, mais da maioria dos detentos ficam anos esperando para serem julgados causando assim a superlotação. Um exemplo disso, era o complexo prisional Carandiru no estado de São Paulo, caracterizado por sua superlotação. Por esse e outros fatores, ocorreu o maior massacre no sistema prisional brasileiro.
  Torna-se evidente, portanto, que medidas são necessárias para resolver o impasse. Em razão disso, o Poder Público deve investir na educação dos privados de liberdade, construindo salas de aulas e enviando professores para dentro dos presídios, a fim dele reintegrar-se na sociedade. Ademais, o Poder Judiciário deve julgar os casos em um curto prazo, contribuindo assim para a organização da penitenciária e a diminuição da superlotação. Assim, a crise no sistema prisional poderá deixar de fazer parte na realidade brasileira.

Rankeado: No está rankeado

Último login: Hace 5 meses

Registrado: Hace 9 meses